Imprimir Imprimir

Servidores apresentam ao comitê de busca expectativas sobre o novo diretor do Inpa

2014-06-02 - 19:34:58


COMPARTILHE:

 

O encontro foi no Auditório da Ciência do Inpa, que contou com a participação dos mais diversos setores do Instituto

 

Por Cimone Barros – Ascom Inpa (Foto e texto)

Experiência comprovada na Amazônia, capacidade de diálogo, respeito às competências da equipe técnica e científica, competência na captação de recursos de grandes vultos, maior transparência e agilidade aos processos, além da busca de sinergia com outros institutos de pesquisas. Essas são algumas das características ressaltadas pelos servidores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/ MCTI) em reunião, nesta segunda-feira (2), com o Comitê de Busca, que auxilia o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Clélio Campolina Diniz, na escolha do novo diretor do Inpa.

A reunião com os servidores antecedeu a apresentação pública dos seis candidatos – Wanderli Tadei (Inpa), Luiz Carlos Dionísio (Amicus Ltda/MG), Luís Renato França (UFMG), Antônio Manzi (Inpa), Luís Antônio de Oliveira (Inpa) e Estevão Monteiro de Paula (Inpa) -, de seus planos de trabalho, de visão de futuro para o Inpa e das entrevistas privativas do comitê com os candidatos.

O comitê é responsável por elaborar uma lista tríplice a ser encaminhada ao Ministro do MCTI, que vai escolher o novo diretor. O mandato é de quatro anos. “É importante ouvir vocês que são o dia a dia da instituição, o que esperam de um diretor, a expectativa de atuação para um novo diretor”, destacou a presidente do Comitê de Busca, a presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader.

Para a pesquisadora do Inpa, Rita Mesquita, que falou com uma “porta-voz” das coordenações das pós-graduações, de líderes de grupos de pesquisa, curadorias, pesquisadores e bolsistas de produtividade, há um reconhecimento do altíssimo nível do comitê e de que o momento é “extremamente saudável”, especialmente pela possibilidade de avaliar os planos dos candidatos.

“É muito importante que o nosso novo diretor conheça a Amazônia, tenha experiência em captação de recursos, valorize a pesquisa científica em todas as suas nuances, tenha atuação comprovada na formação de recursos humanos e entenda a importância de transferir os conhecimentos para a sociedade”, disse Mesquita. “E, ainda, precisa ser um articulador entre as instituições, que coloque a lei da harmonia e do respeito entre todos como uma prioridade e que seja sempre aberto ao diálogo”, complementou a pesquisadora.

Para o pesquisador Niro Higuichi, o novo diretor também precisa ter habilidade e “boa interlocução regional”. Já o pesquisador Renato Cintra destacou a necessidade do Inpa crescer muito mais e de “desenvolver o pós-doutorado no Instituto”. O pesquisador Johannes Leeuwen destacou que uma pessoa de fora tem algumas vantagens por não estar atrelado a ninguém de dentro, se estiver condições igualdade com os demais candidatos. Já a analista em C&T Fernanda Morais cobrou que a nova gestão defina na prática o papel dos analistas em C&T, que já está definido pelo MCTI.

Ainda fazem parte do Comitê de Busca, os professores doutores Aldo Malavasi, presidente da Biofábrica Moscamed Brasil (BMB); Jacob Palis Junior, presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC); Jorge Almeida Guimarães, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Thomaz Nogueira, superintendente da Zona Franca de Manaus, o único da região. O mandato de atual diretor do Inpa Adalberto Val termina em meados de junho.

“Os documentos dizem a percepção de cada candidato e essas intervenções nos apresentam ponto de vista bem diversos das pessoas que representam os setores. Elas nos ajudarão a refletir”, contou o presidente da Capes, Jorge Guimarães, destacando que o novo diretor precisa ter “muito apoio do ministro”. “É ali que vai fazer as principais reivindicações de orçamento, reposição de quadro, e o pós-doutorado é fundamental nessa questão”, acrescentou.

Guimarães revelou que já estava articulando com o diretor atual, Adalberto Val, um acordo entre o Inpa e a Capes, que visam o pós-doutorado, com reforço nos programas de pós-graduação, o fortalecimento das atividades de pesquisa e atração para o Inpa de uma liderança mais efetiva juto aos países da Amazônia. “Vamos esperar o novo diretor para dar continuidade nesse conjunto de ação induzida, que já fizemos com outras instituições como o Impa (Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada)”, contou.

No fim das tarde, os membros preparam a ata final dos trabalhos e da documentação que será entregue ao ministro. "Pretendo entregar essa lista tríplice amanhã (terça-feira) ao ministro, pois estarei em Brasília para uma reunião e vou aproveitar para fazer isso", disse Nader.  

Candidatura

De acordo com o MCTI, podiam concorrer ao cargo de Diretor do Inpa quaisquer pesquisadores ou tecnologistas brasileiros ou naturalizados que atendam aos requisitos básicos, como competência profissional reconhecida, visibilidade junto à comunidade científica e tecnológica, experiência administrativa e capacidade de promover a agregação entre os funcionários do Inpa, visão de futuro para a instituição e empenho no desenvolvimento integrado científico e tecnológico do País.

Também é esperado do candidato capacidade de tratar problemas políticos relacionados com a unidade, experiência em cooperação nacional e internacional, motivação para enfrentar novos desafios e compromisso com a execução do Plano Diretor do Inpa 2011-2015.

Veja também:

Estudantes de escolas públicas participam de mais uma edição do Circuito da Ciência

Plantas da Amazônia com poder de cura poderiam estar no SUS, diz pesquisador do Inpa

Comitê de Busca realiza nova etapa do processo de seleção para novo diretor do Inpa