Imprimir Imprimir

INCT Madeiras da Amazônia: o combate ao desperdício da indústria madeireira

2011-05-05 - 21:08:28


COMPARTILHE:

Ascom Inpa

 

“Madeiras da Amazônia”, além de INCT, é uma disciplina em comum entre várias universidades federais que busca a conscientização da população

Por Clarissa Bacellar

A programação do Seminário de Avaliação dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) no Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD) – Fiocruz Amazônia, realizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), teve continuidade na tarde desta quinta-feira (5) com apresentação dos resultados parciais dos trabalhos desenvolvidos pelos INCTs.

A primeira apresentação foi realizada pelo pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCT) e coordenador do INCT Madeiras da Amazônia, Niro Higuchi. “O INCT Madeiras da Amazônia é uma combinação de manejo florestal com tecnologia”, explicou o pesquisador.

Siga o Inpa no Twitter

Higuchi afirmou que os estudos visam melhorar a atuação do mercado madeireiro com menor impacto possível ao meio ambiente. “Nós trabalhamos com essas premissas: sem tecnologia da madeira não há manejo florestal sustentável. Sem manejo florestal sustentável não haverá floresta em pé na Amazônia. E sem floresta em pé não adianta o CENBAM, o Adapta trabalharem, porque não vai ter o que estudar”, enfatizou.

Por isso, o pesquisador alegou que é necessária a busca por respostas simples e diretas para os problemas com o desmatamento na Amazônia, bem como parcerias com o setor produtivo, uma vez que o objetivo do instituto é buscar viabilizar o manejo sustentável aumentando o rendimento das indústrias madeireiras da região sem prejudicar a biodiversidade amazônica.

Higuchi destaca o reaproveitamento das árvores que caem naturalmente na floresta, como pela marchetaria, na construção de instrumentos musicais, e fechou a apresentação afirmando que é necessário combater o desperdício no setor madeireiro. “Se deixar sem uma alternativa de uso dessas florestas, se não melhorar, nós vamos perder as florestas”, completou.

Recursos

Visando a melhora e evolução do trabalho realizado, Higuchi lembra ainda que sempre é preciso realizar melhorias nas instalações físicas, mas que já foram realizadas reformas e construção de sala de aula e laboratórios, fundamentais no desenvolvimento dos estudos. “A dificuldade é lidar com o número de pessoas e tantos grupos diferentes”, disse.

Os recursos que mantêm as pesquisas realizadas pelo INCT Madeiras da Amazônia são provenientes da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Mensagem para a posteridade

Elaborado por pesquisadores dos laboratórios de Manejo Florestal (LMF), Psicologia e Educação Ambiental (Lapsea) e Engenharia de Artefatos de Madeira (LEAM), o livro "O uso de madeira de árvores caídas em comunidades extrativistas - estratégias econômicas e de sustentabilidade ambiental" foi apresentado ao público presente, relata as atividades interdisciplinares sobre manejo florestal comunitário, madeira caída e características desse recurso para confecção de artesanatos, como alternativas para manter a sustentabilidade e proteger as florestas.

Para conhecer mais sobre o trabalho realizado pelo INCT Madeiras da Amazônia acesse: http://inctmadeiras.inpa.gov.br/